Multimídia
VÍDEOS
FOTOS



Voltar à página anterior
Brasil avança na execução de projeto demonstrativo que avalia mecanismos para destinação adequada de substâncias que destroem a camada de ozônio

 

 

 Para dar a destinação adequada às substâncias que destroem a camada de ozônio (SDOs), o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) implementam o Projeto demonstrativo para gerenciamento e destinação final de resíduos de SDOs, no âmbito do Protocolo de Montreal.

“O Brasil está tomando uma série de medidas para eliminar o consumo dessas substâncias, mas, atualmente, temos passivos armazenados, além de um quantitativo significativo ainda em uso como fluidos refrigerantes em equipamentos de refrigeração antigos que, ao final de sua vida útil, passarão também a ser um passivo. Portanto, precisamos instalar no país mecanismos que permitam dar uma destinação adequada a essas substâncias”, explica a gerente interina da Unidade de Implementação e Monitoramento do Protocolo de Montreal do PNUD, Ana Paula Leal.

Dessa forma, foi realizada Manifestação de Interesse (MI), um processo público e aberto à manifestação de instalações de tratamento térmico no Brasil interessadas em participar do projeto. A MI resultou na seleção do incinerador da empresa Essencis, instalado em Taboão da Serra, região metropolitana de São Paulo.

“O projeto tem como objetivo desenvolver um modelo de gestão de resíduos de SDOs ao estabelecer uma logística e parâmetros para a destruição dessas substâncias. Com os resultados obtidos após sua conclusão, espera-se que outras incineradoras possam se adequar e assim seja iniciado um mercado a ser replicado em todo o país”, afirma a analista ambiental do MMA, Gabriela Lira.

O projeto demonstrativo prevê a destinação de cerca de 100 toneladas de SDOs, atualmente armazenadas nos centros de regeneração e armazenamento (CRA) instalados no país, em cilindros não padronizados. “Primeiramente, estamos comprando cilindros maiores para padronizar o tipo de recipiente de armazenagem das SDOs que serão destinadas à incineração. Isso facilitará o processo de incineração”, explica a assessora técnica do projeto, Raquel Rocha.

“Além dos cilindros padronizados, é importante também identificar quais substâncias cada cilindro contém, já que, além das SDOs, eles podem conter substâncias inflamáveis e que exigem maior cuidado para manuseio”, pontuou o gerente de riscos e sustentabilidade da Essencis, Luciano de Oliveira.

Inicialmente, serão avaliadas as necessidades para adequação e, após realizá-la, o incinerador será submetido a testes de queima, de acordo com a legislação estadual vigente no estado de São Paulo, de modo a avaliar e garantir que o equipamento esteja preparado para a destruição das SDOs. “Fizemos um teste de queima mês passado e passamos. Acredito que também conseguiremos concluir as especificações com sucesso”, ponderou a consultora técnica da Essencis, Debora Bennetti.

“É importante enfatizar que, para o MMA e o PNUD, os controles, a boa operação do processo e o licenciamento ambiental são quesitos a serem muito bem avaliados nesse projeto, de modo que a destruição das SDOs ocorra de forma totalmente segura e de acordo com a legislação nacional e estadual vigentes”, complementa Rocha.



Compartilhe Imprimir
Veja mais

   Brasil avança na execução de projeto demonstrativo que avalia mecanismos para destinação adequada de substâncias que destroem a camada de ozônio
   Especialistas se reúnem em São Paulo para aprofundar conhecimento sobre a ciência da formulação de poliol e debater alternativas às substâncias destruidoras da camada de ozônio no setor de espumas de poliuretano
   Fundo Multilateral finaliza missão de avaliação no Brasil com visita a três regiões do país e apontamentos positivos ao projeto
   Brasil recebe representes do Fundo Multilateral para avaliar implementação de projeto do Protocolo de Montreal com foco na substituição de equipamentos contendo substâncias que destroem a Camada de Ozônio, CFCs e HCFCs
   Brasil organiza Seminário sobre Formulação para Espumas Rígidas de Poliuretano
   O papel do setor privado na implementação do Protocolo de Montreal no Brasil
   Protocolo de Montreal completa 30 anos em 2017
   Retrospectiva: as ações de implementação do Protocolo de Montreal no Brasil em 2016
   R290 vs. HFCs em ambientes quentes: quem se sobressai?
   “O Brasil é o modelo da América Latina para a implementação do Protocolo de Montreal”
   Governo Federal informa setor produtivo sobre nova Emenda ao Protocolo de Montreal
   MMA e PNUD apresentam Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs em Feira internacional em São Paulo
   MMA e PNUD terão espaço em feira internacional para discussão sobre as ações de eliminação dos HCFCs
   Brasil terá até 2045 para cumprir com a meta de redução dos HFCs, de acordo com decisão das Partes do Protocolo de Montreal em reunião em Ruanda.
   Mensagem do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, sobre a emenda ao Protocolo de Montreal para combater o aquecimento do planeta
   Entrevista com Ana Paula Leal, gerente de projetos da Unidade de Implementação e Monitoramento do Protocolo de Montreal no Brasil
   Semana tecnológica do SENAI capacita técnicos sobre boas práticas no setor de refrigeração para preservação da camada de ozônio
   Reunião do Grupo de Trabalho GT-HCFCs no Brasil debate sobre a emenda ao Protocolo de Montreal para o controle dos HFCs
   MMA e PNUD lançam cartilha informativa sobre Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs
   Mensagem do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, para o Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio


Página 1 de 6

1
2
3
4
5
6

Parceiros


Multimídia Multimídia Multimídia Multimídia Multimídia
© 2011 Protocolo de Montreal - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por:
Desenvolvido por Interagi Tecnologia